quinta-feira, 28 de novembro de 2013

O MELHOR PRESENTE PARA A SUA VIDA

o melhor presente para a sua vida:
Um passaporte para dentro de você




Qual o caminho para a felicidade e a paz?
Que tesouro temos dentro de nós?
Como acelerarmos a nossa evolução?


Cover_front_medium

O PENSAMENTO TRANSFORMADO EM PERSONAGEM.

Versão impressa: R$ 15,94

Atenção: o livro só pode ser comprado através do site no link abaixo

PARA ADQUIRIR O LIVRO ACESSE:

UM PRESENTE PARA VOCÊ!

UM LIVRO PARA PENSAR.

A PERGUNTA COMO DINÂMICA DA EVOLUÇÃO ESPIRITUAL.

Atenção: o livro só pode ser comprado através do site no link abaixo

PARA ADQUIRIR O LIVRO ACESSE:
https://www.clubedeautores.com.br/book/155011--AMEACA_AO_REI#.UpY-_uL9ykw

VENCENDO O GRANDE INIMIGO

VENCENDO O GRANDE INIMIGO

A despeito da aparência este é um romance metafísico, onde o autor utiliza a nudez feminina como grande símbolo da vida e faz das reflexões filosóficas uma alavanca para o processo dinâmico e, portanto, evolutivo do viver. Ninguém sai desta leitura o mesmo. O leitor é movido para um universo de questionamentos e transformações efetivas em seu modo de pensar, o que não significa concordar com o autor, mas porque o autor provoca uma abertura na mente de quem entra neste romance.

Ameaça ao Rei coloca o ego no trono (ou no centro) da questão e ele (o ego) é questionado. Vencer o jogo é vencer a si mesmo. Uma partida que pode nos levar a pensar melhor na regra do jogo da vida. Afinal, só temos um inimigo que precisamos vencer na vida.

para comprar este livro acesse:
https://clubedeautores.com.br/book/155011--AMEACA_AO_REI#.UpCVp-L9ykw

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

OS PLANOS ESPIRITUAIS

OS PLANOS ESPIRITUAIS
Após ter abandonado o corpo a alma, antes de alcançar a plenitude da iluminação e, assim, atingir definitivamente a imortalidade e livrar-se da roda das encarnações, ocupa um plano espiritual evidentemente sem forma, sensações e atitude. Ao deixar o plano material de movimentos e distâncias mergulha completamente no abstrato, onde não há formas e ação.
Então, como a alma fica e existe neste plano espiritual? A personalidade-alma, antes de tudo, continua autoconsciente, ou seja, percebe a si mesma, mas embora não tenha forma (pois, forma é resultante do mundo manifesto) “vive” no mundo dos estados. Ou melhor, a alma sente amor, angústia, alegria, etc. O encontro com outras personalidades almas dar-se através deste sentir. De fato, a alma livre do mundo das formas e ações sente os entes-queridos e aqueles que conheceu na última encarnação através deste “sentir”.
No plano espiritual não existe “inimigos”. Aquelas que tivemos como pessoas inimigas na última encarnação deixa de sê-las no plano espiritual, pois, estas condições só existem no mundo da ação. O nosso encontro com estas pessoas normalmente se revestem de um encontro de amor e, então, percebemos o erro de considerá-las inimigas enquanto encarnados. Nos planos espirituais os limites dos acontecimentos são diluídos. Na verdade, o prazer destes encontros são tão intensos que não conseguimos encontrar um paralelo no mundo manifesto e, portanto, são intraduzíveis e são impossíveis de descrevê-los.
O fato é que quando voltamos ao plano espiritual percebemos que este é o nosso verdadeiro lugar e que estávamos apenas temporariamente vivendo no mundo manifesto. Porém, sentimos que precisamos alcançar algo. Sentimo-nos incompletos, como se não tivéssemos nascidos de fato. Sentimos que precisamos ir além para nos sentirmos realizados, mas não conseguimos compreender isto. Só através do mundo manifesto nossa consciência conseguirá evoluir e atingir o nível superior de consciência. Neste processo, a vida manifesta é fundamental, pois, só ela permite o movimento e, portanto, o gradual despertar da consciência. Todo conhecimento nos leva a isto. O conhecimento jamais poderá ser alcançado objetivamente, pois, o mundo manifesto é limitado e não pode fornecer a compreensão total do mundo espiritual ilimitado.
São os nossos estados que definem os nossos planos de consciência iguais ou diferentes nos planos espirituais em relação às outras personalidades almas. Quando fazemos a transição entre o plano material e o espiritual temos que vencer os nossos medos e, para tanto, somos ajudados pelas personalidades almas mais evoluídas. Podemos dizer que estas personalidades são “parteiros cósmicos”.
De toda forma, não somos afetados nem afetamos as personalidades almas que estão encarnadas. Aquelas personalidades almas que atingiram a iluminação, ou seja, a imortalidade e, portanto, a consciência cósmica, no entanto, inspiram todo o tempo todos que estão manifestos e aquelas personalidades almas manifestas no plano material que conseguem sintonizar com estas conseguem captar as idéias que estes “mestres cósmicos” estão transmitindo. Para que, enquanto encarnados, consigamos captar a inspiração dos mestres precisamos silenciar nossa mente e elevá-la a planos superiores.
A prece, a oração e a meditação são ferramentas que dispomos para que possamos apreender as idéias dos planos superiores de consciência.
Mas, seja como for, enquanto estamos encarnados estamos o tempo todo sendo atraídos para os planos espirituais e, principalmente, para os planos superiores onde a luz se faz plena de vida, luz e amor.
Ou seja, nossa alma está todo o tempo sendo atraída para a morte, onde ela pode alcançar a plenitude de fato. Nosso objetivo como destino cósmico é “voltar para a casa do pai” (voltar para o seio do criador). E, só através da morte podemos realizar isto. Contudo, é a vida que nos permite caminhar em direção a esta “morada”.
Hideraldo Montenegro

leia AMEAÇA AO REI
https://clubedeautores.com.br/book/155011--AMEACA_AO_REI#.UpcswuL9ykx

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

O PÓS-VIDA E A ILUMINAÇÃO

O PÓS-VIDA E A ILUMINAÇÃO

Por que nascemos? A consciência sobrevive à morte física? Como é nossa consciência livre do corpo material? Por que precisamos atingir a iluminação?

Todas as religiões e correntes espiritualistas tentaram responder estas perguntas e cada uma chegou a uma concepção, às vezes até, divergente e conflitante. Todas dizem ter chegado a uma verdade definitiva e, assim, tentam combater aquelas que são diferentes das suas. Não aceitar o pensamento diferente, neste aspecto, é a base de toda intolerância religiosa e espiritualista e parece ser a prática comum.

Entretanto, sabemos que assumimos uma dada religião muito mais por herança cultural do que a partir de uma escolha pessoal legitimada através de uma reflexão aprofundada. Ou seja, se nascemos no Japão é provavelmente que nos tornemos budista ou se nascemos em Israel nos tornemos Judeu ou se em algum país árabe venhamos a ser muçulmanos ou num país cristão, cristão, etc, etc.

Há uma grande diferença entre crença e fé. Fé é uma certeza interior que surge em nós de forma absoluta e inabalável e crença é sempre construída e/ou herdada, ou seja, crença é algo passada de uma pessoa a outra e não ocorre de forma espontânea e natural como a fé.

Como podemos ousar falar sobre iluminação e planos espirituais sem termos atingidos estas condições?

É de supor que, para falar sobre o mundo espiritual e iluminação, então, deve-se saber tudo sobre isto. Não, não é verdade, ao contrário. Então, como podemos ter ou formar alguma ideia a respeito do mundo espiritual e da iluminação? Todos nós dispomos de uma ferramenta infalível para fazermos deduções a respeito deste tema tão profundo e complexo.

Ora, a partir do próprio mundo manifesto e suas leis podemos deduzir e formar uma ideia bastante segura a respeito deste assunto.  Para se chegar a estas deduções cada um de nós dispõe de um instrumento e de uma ferramenta de conhecimento: a nossa própria consciência. É através dela que devemos investigar a ciência destas deduções. Ou seja, qualquer um de nós pode chegar às mesmas deduções e alcançar as suas próprias conclusões.

As formas de olhar um defunto, por exemplo, de um muçulmano, de um indu, de um cristão católico, de um cristão evangélico, de um cristão kardecista, de um budista, de um umbandista e de um ateu materialista são muito diferentes. 

Contudo, há algo que independente de crenças e opiniões relativas é comum a todos nós: a consciência. E, é justamente a partir da consciência que vamos estudar os fenômenos que nos dispomos a entender.

Há algo que a natureza nos oferece e que é comum para todos nós e, portanto, independe do que aprendemos através de livros e informações passadas por nossos ancestrais e que nos traz informações seguras que é a nossa consciência. Ela é o ponto convergente para nos entendermos e compreendermos a verdadeira natureza das manifestações naturais. Por exemplo, se estivéssemos numa dada praça, numa certa cidade de certo país, a tal hora e tal dia e olhássemos uma mesma árvore, teríamos muitos pontos convergentes que não gerariam nenhum tipo de discordância. Afirmaríamos absolutamente concordantes que estaríamos ali, naquele dia e hora. Estaríamos igualmente inseridos dentro de um mesmo tempo e espaço e isto não restaria dúvida para ninguém participante deste instante de observação. Entretanto, a forma de descrever e traduzir o sentimento do que está sendo visto seria muito diferente para cada um, mas apesar disto, o fato é que estaríamos num mesmo lugar, no mesmo dia e mesma hora. Ninguém em sã consciência pode afirmar que está em outro lugar estando naquela praça ou que está em outro tempo. O que nos coloca no tempo e espaço é a nossa consciência objetiva através dos nossos sentidos físicos (tato, paladar, audição, olfato e visão). Se fecharmos os olhos, por exemplo (usando apenas um dos sentidos físicos), nossa noção de tempo e espaço se perde e não conseguimos mais ter ideia de profundidade, luz, cores, dimensão e perdemos também a referência de tempo. Não saberíamos se se passou um ou dez minutos. Ou seja, o tempo e espaço estão condicionados à nossa consciência objetiva.

Ora, ao morrermos naturalmente perdemos estes sentidos (o tato, o paladar, o olfato, a audição e a visão) e, portanto, o falecido não pode vivenciar o tempo e o espaço, pois, já não existe uma consciência objetiva que os captem. Ou seja, num plano onde não haja tempo e espaço não há movimentos, pois, o movimento só ocorre no tempo e espaço, ou seja, em nossa consciência objetiva e ela deixa de existir na morte do corpo físico.

Dizemos que algo se move quando a distância entre as coisas se altera no decorrer do tempo. Só a nossa consciência objetiva capta o movimento. É assim que o tempo passa a existir para nós. Vida é movimento, portanto, o movimento (a ação) só ocorre na consciência encarnada, quando vivenciamos o tempo e o espaço através da consciência objetiva nos dada pelos sentidos físicos. Consequentemente, enquanto seres desencarnados estamos em repouso. Ou seja, os seres desencarnados não se movem, pois, para se mover precisariam estar dentro do plano manifesto utilizando a consciência objetiva, porém, ela se desfaz na dissolução do corpo físico. Podemos deduzir que a maioria dos falecidos não intervêm em nosso mundo objetivo, do tempo e espaço, pois, não têm consciência deste. Isto implica deduzirmos também que ainda, enquanto não atingimos a iluminação não alcançamos a plena auto consciência. Somos seres embrionários cósmicos.

Outro dado importante para ressaltar é que as lembranças de encarnações passadas somente são lembranças “vidas” manifestas. Ou seja, como nos planos espirituais não existe movimento, não existe ação, então, não existe memória e, portanto, lembranças, pois, nada houve neste plano.

Nascemos porque num certo estágio, enquanto, não alcançamos a consciência da eternidade, somos impulsionados ao movimento e é o movimento que nos faz evoluir.

Ora, ao fecharmos os olhos, por exemplo, nossa consciência se mantém além do tempo e espaço e se ela transcende ao tempo e espaço, então, não depende destes para existir e, portanto, o tempo e o espaço são apenas níveis de nossa consciência, o que significa dizer que nossa consciência não depende do tempo e espaço para existir.

Contudo, ao sair da relatividade do tempo e espaço, a nossa consciência entra no plano do eterno presente e, assim, deixa de ser específica como, por exemplo, homem/mulher, criança/adulto, rico/pobre, doutor/iletrado, branco/negro, alto/baixo, etc. Ou seja, nos planos espirituais não existem o macho e a fêmea, o jovem ou velho, o culto ou inculto, o gordo ou magro, etc. Isto são condições atreladas às manifestações físicas e, naturalmente, as perdemos quando perdermos o corpo físico com a morte.

Mas, para permanecermos no plano do eterno presente implica que o tenhamos alcançado plenamente esta consciência quando estamos encarnados. Isto implica deduzirmos que cosmicamente (ou espiritualmente) ainda não nascemos. Ou seja, somos embriões cósmicos. Preparamo-nos para o nascimento espiritual pleno através da vida, do viver. Na medida em que encarnamos a nossa consciência vai se abrindo até atingirmos a consciência cósmica, então, e só então, entramos definitivamente na mente divina e alcançamos o eterno presente de forma absoluta.

Então, que tipo de consciência podemos ter no mundo espiritual? Evidentemente, para ter a plenitude da consciência no mundo espiritual precisamos estar despertos, caso contrário, não perceberemos nada além de nós mesmos e, em certo grau. Ou seja, no mundo espiritual vivemos fechados em nosso próprio mundo sem nos darmos conta da abrangência da consciência, aquela que abarca um universo além do nosso exclusivamente.

Falando de uma forma mais clara, vivemos para pudermos despertar, ou seja, alcançar a iluminação e, assim, nascermos de fato no mundo espiritual, senão permaneceremos em estado embrionário espiritualmente. Evidentemente, neste caso, não influenciamos ninguém, pois, sequer sabemos da existência de outros planos, como é o caso do plano material atrelado ao tempo e espaço.

Vale salientar também que toda vez que mudamos de plano precisamos atravessar o umbral e este umbral é os nossos medos e crenças e sem nos livrarmos de toda superstição não podemos ingressar finalmente no eterno presente e nascermos no absoluto. Sem fazermos esta passagem livres estaremos sempre transitando no plano da relatividade do tempo e espaço. 

Seja de forma transcendente ou das limitações do universo sensorial, só podemos apreender alguma coisa através de nossa consciência. É, portanto, através dela (a consciência) que vamos tentar entender e apreender o mundo espiritual e a necessidade da iluminação. Falamos na existência do absoluto apenas e tão somente por dedução já que não podemos alcançar o absoluto se estamos envolvidos na relatividade do tempo e espaço da manifestação. Para transcendermos os limites da consciência objetiva primeiro fechamos os olhos, tentamos ficar em silêncio para ir além do tempo e espaço e, assim, nos harmonizarmos com planos espirituais superiores. Ou seja, o melhor meio para transcendermos o tempo e espaço é a meditação.

Como disse São Francisco de Assis: “e é morrendo que se vive para a vida eterna.”


Hideraldo Montenegro

leia o livro O DEMÔNIO DE CADA UM DE NÓS

terça-feira, 17 de setembro de 2013

livro de poemas INDECIFRÁVEL



Caro Hideraldo

Peço desculpas, somente hoje tive um certo para ler seu livro. E mesmo assim, a vôo de pássaro.

Por isso e por não ser expert em poesia, não vou ser leviano e me meter a crítico.

Mas encontrei um poeta. E sua poesia, própria, de uma subjetividade cultivada (como deve ser), roçando questões metafísicas (cheio de perguntas, como deve ser), com grande força imagética.

Na minha capenga opinião, o livro vale, apesar de altos e baixos. Há versos maravilhosos (exemplos: “liberdade é uma desconstrução”, “aos domingos tiro feriado de mim”) e aqui acolá um verso óbvio (também só por exemplo: “o céu rompendo limites”)

Alguns poemas me tocaram, revelam plenamente o poeta que você é, como, ainda por exemplo: Despedida, Epitáfio, Recife, Gestação e, principalmente, o antológico Identidade.

Parabéns e boa sorte,

com um abraço cordial

Homero Fonseca
Jornalista e escritor. Ex-diretor editorial da revista Continente Multicultural, do Recife. Bacharelado em jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco, foi diretor de redação da Folha de Pernambuco, editor-chefe do Diario de Pernambuco, repórter das sucursais do Estado de S. Paulo e Jornal do Brasil e do Jornal do Commercio  e Diário da Noite, do Recife.

para comprar o livro impresso acesse o link abaixo: 
https://clubedeautores.com.br/book/148379--INDECIFRAVEL#.VZ65wj5Viko
 


quinta-feira, 1 de agosto de 2013

lançamento romance VENCENDO O GRANDE INIMIGO

A LUTA ENTRE O EU EXTERIOR E O EU INTERIOR
VENCENDO O GRANDE INIMIGO
O HIPERREALISMO NA LITERATURA

Entramos neste romance como tivéssemos fotografado uma conversa de botequim, sem retoques, sem maquiagens.
Sentimos como tivéssemos flagrado uma cena ou um pensamento. As personagens não são construídas com a intenção de nos levar posteriormente a um acontecimento pré-definido.
Continuamos longe do desenrolar da leitura como um espectador que vai julgar as idéias que se desenvolvem numa discussão que assistimos. Porém, isto não significa que esta leitura nos deixe indiferentes, ao contrário. Nela percebemos um realismo explícito já na própria forma que o romance é escrito, sem truques e floreios literários. Há, na verdade, uma depuração do discurso e desenvolvimento do enredo.
Os personagens e pensamentos nos aparecem conhecidos com suas limitações e dúvidas. Não encontramos aqui personagens meramente ficcionais, inventados, estereotipados. São banais, comuns. Eles são colagens, recortes de uma realidade que não está além, mas em nosso cotidiano. Eles são nós mesmos ou estão à nossa volta, trazendo suas dúvidas existenciais tão comuns a todos nós.
Cover_front_medium

capítulo I - O TABULEIRO
B
ispo 6, casa do rei. Sequer pensou. Fez a jogada automaticamente. Estava reclinado sobre o tabuleiro, com os óculos na ponta do nariz, a barba para fazer, os cabelos despenteados e precisando de uma boa lavada. Era um ateu que desprezava os bens materiais. Ou seja, era um materialista que não dava importância a matéria. O mero consumismo, para ele, era uma agressão ao espírito humano.
Jogou e permaneceu na mesma posição com a mão direita no ar, como uma fera que está atocaiando a presa, esperando a minha próxima jogada. Fiquei indignado. Afinal, havia levado dez minutos pensando em minha jogada. Perdi o interesse.
Já não estava mais ali. Meus pensamentos começaram a divagar. Para variar, Helena ocupou a minha mente. Aliás, bastava ficar quieto e ela surgia para mim como um fantasma. Todas as horas em que aparecia algum espaço Helena ocupava a minha mente. Não eram pensamentos dos mais elaborados. A sua imagem me aparecia se desnudando. Ah, o desejo! Era tomado completamente! Tudo era reduzido a isto: a nudez de Helena. Nada importava, nem mesmo sua inteligência e doçura. Era simples assim: a completa nudez de Helena......
Número de páginas: 68
Edição: 1(2013)
Formato: A5 148x210
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Offset 75g
Versão impressa | R$ 23,45
PARA COMPRAR O LIVRO IMPRESSO ACESSE:


segunda-feira, 22 de julho de 2013

INDECIFRÁVEL



 

INDECIFRÁVEL

O poema que não escrevi
é feito de carne
tem nome largo
e palavras de forma

O poema que não escrevi
dorme comigo todos os dias
revira meus sonhos
torna-se insônia

O poema que não escrevi
come, bebe, faz sexo
e, às vezes, sai pelo nariz

O poema que não escrevi
vive na lama, no lixo
no luxo, na cama

O que poema que não escrevi
é macho, puta, bicha louca
-desenho que não sai da boca

O poema que não escrevi
é leve, é pluma
pesado tiro
é chumbo, é morte
é casulo, é seda
é sorte que não chega

O poema que não escrevi
Inscreve-se em mim
como cicatriz
como uma dor, um parto
um sapato apertado

O poema que não escrevi
Jamais escreverei

Hideraldo Montenegro

para adquirir o livro de poesias acesse: